Moda

O dia em que me reconectei com a moda

By  | 

Minha história com a moda começou bem cedo, no carrinho de bebê na loja de minha mãe, em minhas primeiras memórias já fazia vestidos para Barbies em seu atelier. Meu sonho de infância era ser uma grande editora de moda. Na escola, fundei com minhas duas melhores amigas um clube de personal styling: Passion4Fashion.  Na faculdade (de moda, obviamente) conheci o Douglas que também tem uma visão muito particular sobre estética. Nós filosofávamos sobre moda por horas. Era uma época de sonhos, Alexander McQueen e John Galliano faziam poesia visual, mais do que espetáculos nas passarelas.  Douglas e eu consumimos moda pela sua fonte, sensibilizados em captar o espírito do tempo para comover as pessoas ao criar moda, em gerar desejo.  

A partir de 2010 essa exuberância das roupas foi sendo diluída pelo minimalismo e meu entusiasmo pela moda também foi se reduzindo. Fui deixando de me emocionar com as temporadas.  É duro assumir, mas a moda em minha vida passou a ser apenas um ofício.  

Sempre foi fácil para mim estar conectada com o inconsciente coletivo, sentir os desejos emergentes, e talvez esse seja a razão de minha frustração. Eu anseio por uma energia nova, um olhar para a frente, algo que comova, que inspire.

Mesmo atualizada a cada temporada e desenvolvendo projetos maravilhosos que tive oportunidade trabalhar com profissionais excelentes, eu já não sabia mais o que fazer para resgatar aquela paixão pela moda.

Em um segundo tudo isso mudou, como num clique, um botão switch on!  Logo quando eu sentei na cadeira do desfile de Andrew Gn e li no press release do desfile sobre os incroyables e as merveilleuses, abri um sorriso e lembrei daquela época.

Sim… Quando conheci aquela tribo de jovens pós revolução francesa, os incríveis e as maravilhosas em uma tradução literal, numa aula de história da moda, foi como se eu tivesse vivido naquela época. Buscar uma estética pura, divertir-se pela alegria de viver e experimentar-se num glamour absoluto para transmitir seus valores através de seu estilo: tudo isso me veio à tona num sentimento que estava arquivado em algum lugar do meu subconsciente.

Andrew Gn linkou essa tribo essa tribo estilosa da época do diretório com outro grupo que teve um papel similar na expressão individual contra o conservadorismo no século passado, os punks.  Achei a analogia genial e me deu muita vontade de ver nascer a tribo equivalente para este século, já tem uma coleção perfeita para seus guarda-roupas.  Olha meus looks favoritos e a entrevista que fiz com o Andrew após o desfile.

Andrew Gn SS2017 - 1

Andrew Gn SS2017 - 2
Andrew Gn SS2017 - 8

Andrew Gn SS2017 - 9

Andrew Gn SS2017 - 11

Andrew Gn SS2017 - 20

Andrew Gn SS2017 - 21

Andrew Gn SS2017 - 22

Andrew Gn SS2017 - 23

Andrew Gn SS2017 - 35

Andrew Gn SS2017 - 36

Andrew Gn SS2017 - 41

Andrew Gn SS2017 - 42

Andrew Gn SS2017 - 45

Esse vestido maravilhoso foi a escolha da atriz Lola Kirke para o Golden Globes. Olha só:

Andrew Gn SS2017 - 46

Andrew Gn SS2017 - 48

 

Nesse dia eu estava usando um vestido de alta costura criado pelo Simone Chap e o Douglas usava essa bolsa do mesmo designer, da coleção dark matter com um look da TopMan.

Sempre na minha versão beta. Stylist. Formada em estilismo e design de moda, se especializou em pesquisa de moda, de forecasting a cool hunting.

You must be logged in to post a comment Login

Leave a Reply